Por Vinícius Cordeiro, 22 anos

Cunete, fisting, fingering, masturbação: os desenhos que representam esses e outros comportamentos sexuais num app que calcula o risco sexual não poderão ser vistos em aparelhos da Apple. No sistema iOS, o usuário vai ter de entender do se trata pelo texto das explicações.

O objetivo do aplicativo “TáNaMão”, feito pelo programa de prevenção de Aids da Prefeitura de São Paulo, é orientar e indicar serviços sobre doenças sexualmente transmissíveis (DSTs). Pra que essa informação chegue mais longe e possa ajudar na prevenção, no sistema Android, há desenhos que indicam cada uma das posições sexuais. Já no iOS foi tudo substituído pelo logo do programa.

“O aplicativo tem o objetivo de trazer essas informações de uma forma mais próxima da juventude para que os jovens acessem. Ele ajuda no combate às doenças sendo uma tentativa de informação mais ampla”, disse Augusto Mathias, consultor técnico em prevenção do Programa Municipal de DST/Aids da Secretaria Municipal de Saúde.

De acordo com o Ministério da Saúde, houve um aumento de 53% no número de meninos de 15 a 19 anos que contraíram HIV/Aids entre 2004 e 2013. Um dos motivos para esse aumento pode ser a galera não estar indo ao médico fazer exames preventivos.

Dados da Pesquisa de Conhecimentos, Atitudes e Práticas no Município de São Paulo de 2014, por exemplo, mostram que 10% dos jovens de 15 a 24 anos nunca fizeram consultas ou exames ginecológicos. O levantamento fez 4.318 entrevistas entre novembro de 2013 e janeiro de 2014.

Onde tem camisinha de graça?

O “TánaMão” também reúne várias informações sobre HIV/Aids e DSTs, além de mostrar onde dá pra pegar camisinha, fazer teste de HIV e tratamento gratuitos na cidade de São Paulo.

Mas o B.O. tá no menu “Saiba seu risco”, que calcula o risco de infecção do usuário de acordo com os seus comportamentos. Depois de responder 5 perguntas (sexo do usuário e de quem se relacionou, cor, anos de estudo concluídos e idade), você lista o que rolou com a outra pessoa. Aí entra o rolo.

O aplicativo é bem direto na hora de listar os vários comportamentos sexuais que podem ter rolado, desde abraços e beijos, até boquete, cunete (sexo oral-anal), masturbação e fisting (penetrar ânus ou vagina com os dedos ou mãos), entre outros. E cada uma dessas opções tem um desenho simples explicando as atitudes.

Nos dispositivos com Android, do Google, e Windows Phone, tá tudo liberado e os símbolos ilustram cada ação, indicando que o software é pra maiores de 14 anos.

Logo TánaMão

Já nos aparelhos com sistema iOS, da Apple, ao invés das figuras, aparece o logo do programa, além de indicação que o app é para maiores de 16. Sem desenho, demora mais pra entender o que cada prática significa.

De acordo com Augusto, do Programa Municipal de DST/Aids da Secretaria Municipal de Saúde, o aplicativo foi feito por uma empresa de desenvolvimento de software e a Apple não aceitou os desenhos.

“Quando a gente vê as figuras, tudo fica mais explicativo. Isso pode ser um fator que limite o entendimento para algumas pessoas, mas, de uma forma geral, essas informações se mantém em todas as plataformas, com pequenos textos descrevendo cada ação”, afirma Augusto.

Segundo Juliana Zimmerhansl, analista de marketing da Metasix (empresa que desenvolveu o aplicativo), a Apple censurou os ícones informativos por não se enquadrarem nas cláusulas para publicação. “Tentamos diversas vezes, inclusive mudamos a estética dos ícones, porém mesmo assim, continuaram com o veto.”

Procurada por telefone e e-mail, a Apple não respondeu.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s