Texto: Vinícius Cordeiro

Um passo de cada vez, braços abertos e muita concentração são a base pra praticar o slackline, um esporte radical em que a galera se equilibra em uma fita de nylon estreita e flexível, que fica presa em dois pontos fixos, geralmente a 30 cm do chão.

Ficar de pé no cordão, andar e, mais ainda, fazer manobras são coisas que se aprende, mas cada um no seu tempo.

“Em um mês, eu já estava fazendo manobras, mas conheço meninas que fazem há um ano e não fazem mais que um movimento. E eu conheço crianças de 7 anos que fazem mais manobras que eu”, diz Raquel Nascimento, uma das fundadoras da Bold Slackline, uma equipe que dá aulas gratuitas em São Paulo.

É que, além de tentar aprender com a galera, dá pra fazer aulas pra aprender as manhas do esporte. Em São Paulo, a equipe Bold Slackline ensina a galera de graça em Centros Educacionais Unificados (CEU): o Jaguaré e o Tiguatira. Pra começar é só chegar em umas das 2 aulas por semana ou no domingo, que é dia livre pra treinos e orientações.

Foto: Mariane Araújo
Foto: Mariane Araújo

Antes de chegar nos parques e praias do Brasil e virar lazer com a galera, o esporte era treino de escaladores. Ali, perto do chão, essa galera treinava o equilíbrio antes de se aventurar nas grandes alturas. Isso no final dos anos 1970, no Vale de Yosemite, Califórnia, EUA.

Com o tempo, a prática virou esporte sério, com competições nacionais e internacionais. A baiana Isabela Almeida, 24, coleciona prêmios na modalidade: tem 19 medalhas, sendo uma internacional, de 2° Lugar no 6° Torneio de Slackline Good Vibes Indoor San Pedro, na Argentina.

“Eu me apaixonei pelo slackline em 2012. No primeiro dia, eu dei 5 passos muito bem e depois não conseguia mais, sorte de iniciante. Com o tempo, fui pegando o jeito. É um esporte que exige disciplina e treino”.

Saúde

Além da diversão, a modalidade também dá um up no nosso organismo, aumentando a força dos membros inferiores, a coordenação motora, a circulação sanguínea e a auto estima, segundo o educador físico Rafael Renato.

“O equilíbrio e a concentração conectam nosso corpo e mente e aumenta a qualidade de vida”.

Não existe contraindicação, mas é preciso, sim, muita atenção pra se aventurar na fita. “A prática de slackline pode ser perigosa. Antes de começar, deve-se sempre conferir os equipamentos”, diz Rafael.

Confere aí o passo a passo pra começar no slackline:

Montando o equipamento:

1 – Você vai precisar de uma fita de nylon, uma catraca de metal pra esticar, protetores de árvore (treewear), um backup de segurança e, claro, duas árvores.

Você pode usar também postes ou rochas. Nunca utilize poste de metal e sempre confira o estado da árvore para não prejudicá-la.

2 – Coloque o protetor na árvore, passe a fita pelo tronco e, depois, o elo.
3 – Estique bem a fita até o outro lado.
4 – Coloque os protetores na outra árvore e prenda a catraca nela.
5 – Passe o backup de segurança pelo mesmo local onde passa o rabicho da catraca.
6 – Amarre o backup na árvore.
7 – Passe a fita reta pela catraca e puxe até tencionar e trave.

Hora de caminhar sobre a fita:

1 – Dê uma alongada antes de começar.
2 – Sempre olhe para um ponto fixo a sua frente, nada de encarar o chão.
3 – Deixe os braços pra cima, em um ângulo de 45º com os ombros.
4 – O pé tem que ficar com toda a sola encostada na fita.
5 – Fique com os joelhos flexionados pra manter a força e resistência.
6 – Você tem que se ajustar seu corpo ao movimento da fita, então use bastante o quadril e os braços para dar esse equilíbrio.

1 Comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s