Diversa

Coronavírus no Amazonas

21 de Abril de 2020

Estado já está em situação de emergência e alcançou a capacidade de atendimento nas UTIs

Amazonas se tornou o estado com maior incidência de coronavírus por 1 milhão de habitantes, o parâmetro que o Ministério da Saúde usa pra medir todos os estados pela mesma régua. São 250 casos a cada um milhão de habitantes, o que o caracteriza situação de emergência por estar 50% acima do índice nacional. O estado já chegou ao limite da capacidade de atendimento nas UTIs e foi notícia no Fantástico por isso e também pela ameaça da covid aos indígenas. Esta semana, o governo fala da possibilidade de fechar o estado, segundo o El País.É la que fica o Amazônia Real, projeto jornalístico fundado em 2013 que cobre a região pela perspectiva dos povos indígenas, da diversidade ambiental e da questão agrária. Katia Brasil, co-fundadora do veículo que tem mais de 40 colaboradores na região, respondeu a Diversa às 3h30 do último domingo (12/04), sobre os desafios do combate ao coronavírus e da cobertura à epidemia na região, que tem poucos leitos por habitante e grandes distâncias na floresta. A entrevista foi editada para ficar mais curta e clara.

Como o Amazônia Real está cobrindo a epidemia?

Começamos a nos organizar para trabalhar em casa no dia 13/03. A maioria de nós já tem escritório, mas a gente viu quem não tinha celular e começamos a organizar para as pessoas não terem custos. A partir do dia 15/03, todos estavam em casa trabalhando. Só o fotógrafo, que é o Bruno Keling, está na rua. Temos uma rede de 42 jornalistas colaboradores em todos os estados na região amazônica e eles também estão trabalhando em casa.

Estamos produzindo bastante porque estão todos acompanhando a situação nas suas cidades, monitorando a situação de indígenas, ribeirinhas, quilombolas, a população tradicional da Amazônia.

A gente começou a identificar o aumento dos casos e também a situação dos próprios indígenas, dando atenção muito ao que eles estavam fazendo. Os Huni Kuim por exemplo tomaram a providência de usar uma casa que têm na cidade para que os indígenas que saíssem da aldeia ficassem lá de quarentena. Nossa cobertura é muito segmentada, fomos fazendo perfis, ouvindo especialistas, para que eles também soubessem do que estava acontecendo porque nosso site é muito lido pelos indígenas. A gente manda via Whats para eles.

E a relação com a equipe?

Também temos conversas a cada semana com os repórteres para saber como todos estão. A gente se fala o dia inteiro, mas é muito importante saber como cada um está, se ver. Tem uns que moram sozinhos, outros dividem as tarefas com a família e tem de fazer tudo. Manter o equilíbrio entre trabalho e família acho que é o mais difícil nessa cobertura porque não estamos viajando nem dentro da redação, estamos em casa. Temos de parar, fazer almoço, colocar água nas plantas, cuidar da alimentação. Acho que esse é o maior desafio.

Você enxerga mudanças ocorridas nesta cobertura que podem transformar e orientar a produção jornalística da iniciativa para sempre?

Acho que a grande mudança vai ser acompanhar uma pandemia, que a gente nunca tinha passado na vida. A gente tem o histórico de uma pandemia 106 anos atrás, que foi a da gripe espanhola. Nem minha avó, que morreu com 93 anos, contou muito sobre isso pra gente.

Vocês têm recursos suficientes ou tiveram alguma oferta de apoio?

Defendemos liberdade de expressão e direitos humanos. A gente não recebe recurso públicos de governos, para não interferir na liberdade de expressão e linha editorial. Aqui na Amazônia isso é muito forte, os governos apoiam a mídia e acaba ficando atrelada a esse poder. Também não recebemos dinheiro de empresas que cometem crimes ambientais e de trabalho escravo, que estejam envolvidas com corrupção, violência contra a mulher. Nos financiamos com recursos da Fundação Ford e doações de leitores.

NO RADAR

 

► O coronavírus está chegando ao SUS: mais de um terço das mortes está ocorrendo nas bordas da cidade, mostra a piauí

► “O isolamento social severo e o SUS são as grandes armas do Brasil contra a pandemia”, diz a pneumologista da Fiocruz Margareth Dalcolmo ao El País

► Osasco tem 52 bairros com casos confirmados de Covid-19 e prefeito recua de relaxar isolamento, mostra a Agência Mural

► Prisões brasileiras têm mais de 20 casos de Covid-19, uma semana após Moro dizer que situação não preocupa, mostra a Ponte

► Uma pesquisa mundial quer entender o impacto do coronavírus para o jornalismo e será tocada pelo ICFJ e o Tow Center.

Acompanhe as últimas reportagens publicadas pela parceria da Énois com Gênero e Número, Azmina e data_labe:

> Mães de recém-nascidos redobram o cuidado diante da pandemia
> Na quarentena não tem bacanal: entrevista com Bacu Exú do Blues
> Grupo de risco em área de risco: registros de casos de doenças respiratórias em favelas durante a quarentena
> Alternativas de sustentabilidade para pequenos restaurantes nas periferias

CURTIU O CONTEÚDO?

APOIE a gente.O mundo vai ter que se transformar. E pra fazer boas (novas) escolhas é preciso informação. Em meio a esta pandemia, você fica em casa e a gente segue apoiando o trabalho de jornalistas que apuram o impacto do coronavírus nas quebradas e a distribuição de informação checada e relevante. Fortaleça nosso trabalho pra que ele se espalhe pra cada vez mais territórios. E fique em casa.

FacebookInstagramInstagram