Diversa

E se o jornalismo ajudasse a desconstruir o imaginário sobre crianças trans?

 

28 de agosto de 2021

 

O principal desejo daquela família era dar a possibilidade de Malu apenas ser, como qualquer criança

 

 Alice Sousa, jornalista e participante do programa Diversidade nas Redações

Oi, tudo bem por aí? Me chamo Alice Sousa e faço parte do time de repórteres do Diversidade nas Redações, programa de treinamento da Énois. 

Recebi o convite para colaborar com a Diversa, tendo a difícil tarefa de ousar falar sobre um tema que já ocupa uma forma na nossa cabeça: transgeneridade. Isso porque a ideia geral que conhecemos de pessoas transgêneras é pela subversão de um corpo e a violência empenhada nos casos de assassinato. 

Na experiência do programa Diversidade nas Redações, como repórter d’O Povo, eu já vinha trabalhando o tema, analisando os casos de violência e acompanhando alguns desdobramentos na Justiça cearense.

Mas quando contei a história de Raul Malu pro jornal O Povo foi um desafio. Na data da entrevista, ela tinha seis anos e a família descobriu a transgeneridade aos quatro. A priori, queria conhecer a família. Esse não é o tipo de entrevista que se faz pelo telefone. Com todos os cuidados possíveis, estive uma manhã na casa de Malu, com sua mãe, seu pai, seu irmão e seus avós.

Nos registros dessa entrevista, houve um diálogo inicial com Yandra, mãe de Malu, que sabe bem como pessoas trans são retratadas na mídia. O maior desejo de Yandra se revelou da maneira mais simples: ela queria ter o direito de contar a história da sua família, sem ter que se esconder através de nomes inventados com asteriscos do lado. O principal desejo daquela família era dar a possibilidade de Malu apenas ser naquela história, como qualquer criança deve e pode. 

A história de Malu desconstruiu em mim tudo aquilo que eu não sabia sobre a convivência com uma criança ou adolescente trans. Começando com os brinquedos. A primeira coisa que percebi quando entrei na casa foram os brinquedos espalhados no chão. A maioria deles cor-de-rosa, que Malu herdou do irmão, um adolescente que se identifica como homem cis hetéro e que desde criança viajava na imaginação com a ajuda dos pedaços de plástico cor-de-rosa. O arsenal de livros na sala da família também chamou minha atenção. Segundo Yandra, a biblioteca da família começou a ganhar os títulos que explicam melhor a presença da transgeneridade na infância. Foi aí que percebi que precisava também contornar o mesmo caminho para contar essa história com alguma propriedade. 

O Ceará, onde Malu está crescendo, é um estado que ganhou as manchetes do mundo inteiro por ter sido o berço onde Dandara dos Santos nasceu e morreu, com requintes de crueldade, na rua, sob as câmeras de seus algozes. Neste cenário, é uma luta constante para as famílias imaginarem um futuro para seus filhos. 

Assim, o desejo latente de Yandra de mostrar que sua família existe, de maneira tão disruptiva e tradicional, tinha um motivo: ela se acostumou a ver pessoas trans sendo notícia em veículos tradicionais a partir da violência; e uma hora Malu vai crescer e sair debaixo da asa da mãe.


> Leia mais: O mito da objetividade

> Assista: RA #14 | Jornalistas LGBTQIA+ e a criação de conteúdos decoloniais

> Assista: RA #24 | Como e por que cobrir políticas públicas para a primeira infância

> Baixe: Manual de Jornalismo e Território: primeira infância e adolescência


No jornalismo, é a partir do enquadramento que a ou o jornalista escolhe sob qual das inúmeras perspectivas vai tratar determinado assunto. Esse não é um conceito novo. Surgiu na década de 80, com um pesquisador chamado Robert Entman. Dentro desse exercício, quase que intrínseco à profissão, inserimos nossos pontos de vista de maneira, também inerente, pois o modo como produzimos essas notícias envolve nossos valores pessoais e profissionais, como explica Márcia Veiga em “Masculino, o gênero do jornalismo”.

Além de contar essas histórias puxando pelos aspectos em comum que crianças transgênero têm com toda a sociedade, também é preciso ficar atenta ou atento às políticas públicas destinadas para essa população. É preciso impregnar na nossa cobertura e no nosso imaginário a ideia de que crianças trans existem, como qualquer outra criança.

Se você quiser continuar esta conversa, é só me escrever em: [email protected]

Curtiu? Acha que sua redação ou colega jornalista precisa ler mais sobre o tema? Encaminhe esse e-mail para todas e todos jornalistas que você achar que precisam saber disso. Você também pode compartilhar por WhatsApp.


Como falar sobre infância e adolescência trans


Estude o tema. Antes de começar a apuração, busque referências sobre o tema. Livros, textos científicos, outras matérias, pessoas e instituições da comunidade podem te ajudar a compreender conceitos básicos e a não reproduzir estereótipos.  Isso ajuda a ter uma ideia de como alguns setores da sociedade já lidam com o assunto de forma natural. As instituições podem ser parceiras, inclusive, para indicar fontes. 

Produza sem pressa. Essa é uma apuração que requer cuidado, então faça com tempo. Se puder, tire um dia ou mais apenas para escrever. Também é válido passar o máximo de tempo possível com as famílias, acompanhando a rotina delas. Converse com as crianças e adolescentes, conquiste a confiança deles e os deixe à vontade. Conte para eles sobre como será a matéria.

Escute as preocupações das famílias. Como o tema é sensível e estamos falando de crianças e famílias inseridas no contexto da comunidade trans, as pessoas entrevistadas podem perguntar como a história delas será abordada na matéria. Considere essa preocupação e busque envolvê-las nas etapas da produção, para que elas sintam confiança e respeito com o que será publicado.

Questione o conceito “tradicional” de família. Na entrevista, pergunte sobre aspectos que envolvem a ideia de família. Não fosse a presença de uma criança trans nessa família, ela se encaixaria dentro dos parâmetros do que é considerada uma família tradicional? Mostre que a família tradicional é aquela feliz, com a presença de toda a estrutura familiar por perto, incluindo avós e amigos. 

Busque o coletivo. No jornalismo, normalmente buscamos numa pauta aquilo que há de particular, único, diferente. Neste caso, faça o caminho inverso. O que há aqui em comum com aquilo que se considera padrão? Está tão distante assim? Que referências existem para mostrar a quem não esteja familiarizado com esse universo para ajudá-los a reconhecer ali a existência do que se convenciona como família?

Imagem.  A decisão editorial sobre citar nomes e mostrar fotos que identifiquem as crianças ou famílias deve ser, acima de tudo, uma decisão da família. Os jornalistas precisam deixar os entrevistados absolutamente à vontade para decidir.

Um salve e muito obrigada a todas as apoiadoras e todos os apoiadores da Énois ♥

Ana Luiza Gaspar, Alessandro Junior, Amanda Rahra, Andrei Rossetto, Angela Klinke, Anna Penido, Alexandre Ribeiro, Bernardo de Almeida, Camila Haddad, Carolina Arantes, Claudia Weingrill, Danielle Bidóia, Daniela Carrete, Danielle Bidóia, Danilo Prates, Darryl Holliday, Evelyn Dias, Felipe Grandin, Fernanda Miranda, Fernando Valery, Flavia Menani, Fred Di Giacomo, Frederico Bortolato, Gabriel Araújo, Giuliana Tatini, Guilherme Silva, Gilberto Vieira, Harry Backlund, Iano Flávio, Juliana Siqueira, Júnia Puglia,Kelayne Santos, Larissa Brainer, Larissa Sales, Luciana Stein, Marina Dayrel, Maire da Silva, Mauricio Morato, Natalia Barbosa, Nataly Simon, Patrícia Grosso, Patty Durães, Rodrigo Alves, Rafael Wild, Renata Assumpção, Ricardo Feliz Okamoto, Susu Jou, Tatiana Cobbett, Thais Folego, Vanessa Adachi, Vinícius Cordeiro e Vitor Abud. Se você quer ver seu nome aqui, basta se tornar nossa apoiadora ou apoiador: benfeitoria.com/enois

Apoie a Énois! Com R$ 10 por mês (ou mais) você ajuda a gente a seguir fortalecendo e produzindo um jornalismo mais diverso! benfeitoria.com/enois

FacebookInstagramInstagram
Skip to content