Diversa

Em 2022, Énois de novo <3

 

18 de dezembro 2021

 

Porque se não tem movimento, não é Énois. Real. A gente está se materializando como árvore, e por aqui confesso que estou bem animada com essa experiência de ser ramo. Coisa bonita isso.

 

Jessica Mota, gerente de comunicação da Énois

Oi gente, como vão?

Aqui é Jessica Mota, gerente de comunicação na Énois. Essa é a nossa última Diversa do ano! Pois é, mas antes de entrarmos no papo que eu quero ter com vocês, aviso que a equipe da Énois entra de recesso a partir de segunda-feira (20/12). Só voltamos dia 10/01. E como Amanda, Nina e Simone já contaram na outra Diversa, vamos voltar um pouco diferentes. Sim, gente, diferentes. Porque se não tem movimento, não é Énois. Real. A gente está se materializando como árvore, e por aqui confesso que estou bem animada com essa experiência de ser ramo. Coisa bonita isso.

Bom, direto ao assunto: não sei se viram, mas o projeto da Farol Jornalismo e da Abraji “O jornalismo no Brasil” chegou em sua sexta edição com 10 autores e autoras que analisam e discutem previsões para o de 2022 no campo jornalístico. 

Entre as previsões, vimos aquela que faz brilhar os olhos de todo mundo aqui na Énois e pela qual trabalhamos. O Moreno Osório, co-fundador da Farol, descreveu assim: “Em 2022 veremos ganhar importância um tipo de jornalismo que vem aparecendo com cada vez mais protagonismo nas edições d’O jornalismo no Brasil. Um jornalismo que vem transformando a profissão de fora para dentro, da periferia para o núcleo, e que empurra a prática jornalística ao encontro das necessidades impostas pelas transformações da sociedade. Um jornalismo estruturado na escuta e que aposta na proximidade do público como forma de distribuição. Um jornalismo mais plural, acessível e inclusivo — e por isso mais capaz de representar a complexidade brasileira.”

Quem acompanha as discussões que levantamos aqui sabe que é pra isso que a Énois existe. O Láercio Portela, editor da Marco Zero Conteúdo e nosso parceiro no Diversidade nas Redações, foi um dos autores que colaborou com o “O jornalismo no Brasil” e conta aqui sobre a importância da escuta e de pensar as estratégias de distribuição. Sentimos que caminhamos junto de um monte de gente que trabalha pra aproximar o jornalismo das pessoas, todas elas. Pra nós isso é combustível para botar a mão na massa. E é fundamental para fortalecer a democracia e o direito à informação em um pandêmico ano de eleição.

E sim, vai ter muita mão na massa mesmo em 2022. Vamos chegar lá. Vamos expandir nossas formações e produções jornalísticas para as regiões Norte e Centro-Oeste. Vamos abrir novas inscrições para nossos cursos. E queremos construir isso junto com você que nos acompanha por aqui e bota fé no nosso trabalho. Pode não ser fácil, é verdade, mas a gente já saca que foguete não dá ré. É sempre pra frente, né não?

Só que antes de chegar lá, quero mostrar o que ainda está aqui. Afinal, é o caminho que a gente trilhou esse ano que semeou essa coisa bonita de ser árvore. Foi nossa contribuição dentro desse ecossistema do jornalismo que quer estar mais a serviço da escuta, em seu sentido amplo (aliás, aqui você pode ler todas as nossas ferramentas sobre escuta e jornalismo). 

“Dois mil e vinte um foi um ano de olhar para todo o conhecimento existente dentro da Énois e na nossa rede”, me contou Alice de Souza, parceira de trabalho que cuida das sistematizações aqui na Énois. “Buscamos descobrir o que pode transformar as redações em espaços mais diversos a partir de experiências reais, realizadas nas diferentes regiões do Brasil e no exterior. Pois é, o jornalismo diverso já existe e pode estar ao nosso lado, basta um olhar mais atento!” 

Foram 54 experiências, metodologias e aprendizados, que se transformaram em ferramentas para a nossa Caixa de Ferramentas da Diversidade. Este ano também foi o momento de abrir as nossas portas virtuais, mensalmente, para uma comunidade disposta a trocar conhecimentos e construir em conjunto formas de ser mais diversa. O Redação Aberta, nosso espaço de troca e escuta coletiva, somou nove edições, com 22 convidados e convidadas dispostas a aprender e compartilhar. Falamos sobre temas urgentes como o anticapacitismo na mídia e a fiscalização da atividade policial. Ouvimos e nos encantamos com a potência da poesia da Bruna MC, slammer de 12 anos, nascida em Salvador (BA), ao falar dos próprios anseios. 

Agradecemos a todas as 221 pessoas que se inscreveram para o Redação Aberta neste ano, às 26 que nos deram feedbacks diretos sobre o encontro, a quem sugeriu novos temas para 2022 e à Ijnet, Abraji e Farol Jornalismo, por divulgar o evento em seus canais. 

“Foram muitos encontros nestas encruzilhadas do saber”, me falou Danila. A Danila de Jesus é a gerente de formação, responsável por coordenar processos muito importantes que aconteceram esse ano, ao lado da Jamile Santana, gerente de jornalismo. “Aprendemos com Valéria Santos, assistente social, que faz a comunicação comunitária em sua quebrada, usando seu alto-falante. Aprendemos com o mestre da fotografia Berg Silva, que com uma boa ideia na cabeça, transformou a laje da casa no melhor estúdio fotográfico para aquele encontro. Aprendemos com quem chegou para conectar e permitir que a educomunicação fosse essa mola propulsora de diversidades, de fortalecimento da democracia e da comunicação como direito, em um país cheio de rincões e silenciamentos”. 

Esse ano demos continuidade ao Programa Diversidade nas Redações, concluímos o Programa Jornalismo e Território, realizando as edições Centro-Oeste e Sul/Sudeste, e teve formações com o Prato Firmeza Rio, em parceria com o DataLab e o Labjaca, nas comunidades de Manguinhos e Jacarezinho.

Sobre o Prato Firmeza, aliás, vale lembrar que foi a primeira vez desse projeto fora de São Paulo. Além das formações, teve a produção do guia em si (você pode baixar e consultar a versão online aqui). Inicialmente, faríamos apenas um guia online com 20 estabelecimentos, mas conseguimos recurso para produzir o livro físico e fazer a impressão de 500 exemplares, que forma distribuídos em Manguinhos e no Jacarezinho mesmo. 

Tivemos o desafio de fazer uma formação de uma equipe nova 100% online, por conta da pandemia, tendo cinco pessoas do LabJaca na formação, que foram os responsáveis pelo mapeamento e produção dos textos. “Foi um projeto que precisou de um tempo de pausa, por conta da chacina no Jacarezinho, para que a galera pudesse se recompor”, lembrou a Carol Pires, quem coordenou o Prato Firmeza esse ano. “Um dos empreendedores participou do Festival Prato Firmeza, que foi bem importante para começar a divulgar o projeto.”

E de Prato Firmeza vocês ainda vão ouvir falar de monte. Em 2022 a gente vai falar de Prato Firmeza Campo&Cidade. Vamos contar as histórias das pessoas e dos lugares onde o alimento é produzido e consumido, da terra ao prato. Vai ter Prato Firmeza Geek também, e a gente vai atrás daquelas cozinheiras e cozinheiros nas periferias com uma pegada científica e inventiva, sabe? 

Espero que a gente possa seguir juntas e juntos, entendendo cada vez mais como a gente daqui pode trabalhar pra apoiar e fortalecer o trabalho de comunicadores e jornalistas como você.

Muito obrigada por estar com a gente!

Um feliz ano novo pra nós.

Um salve e muito obrigada a todas as apoiadoras e todos os apoiadores da Énois ♥

Ana Luiza Gaspar, Alessandro Junior, Amanda Rahra, Andrei Rossetto, Angela Klinke, Anna Penido, Alexandre Ribeiro, Bernardo de Almeida, Camila Haddad, Carolina Arantes, Claudia Weingrill, Danielle Bidóia, Daniela Carrete, Danielle Bidóia, Danilo Prates, Darryl Holliday, Evelyn Dias, Felipe Grandin, Fernanda Miranda, Fernando Valery, Flavia Menani, Fred Di Giacomo, Frederico Bortolato, Gabriel Araújo, Giuliana Tatini, Guilherme Silva, Gilberto Vieira, Harry Backlund, Iano Flávio, Juliana Siqueira, Júnia Puglia,Kelayne Santos, Larissa Brainer, Larissa Sales, Luciana Stein, Marina Dayrel, Maire da Silva, Mauricio Morato, Natalia Barbosa, Nataly Simon, Patrícia Grosso, Patty Durães, Rodrigo Alves, Rafael Wild, Renata Assumpção, Ricardo Feliz Okamoto, Susu Jou, Tatiana Cobbett, Thais Folego, Vanessa Adachi, Vinícius Cordeiro e Vitor Abud. Se você quer ver seu nome aqui, basta se tornar nossa apoiadora ou apoiador: benfeitoria.com/enois

Apoie a Énois! Com R$ 10 por mês (ou mais) você ajuda a gente a seguir fortalecendo e produzindo um jornalismo mais diverso! benfeitoria.com/enois

FacebookInstagramInstagram
Skip to content