Diversa

Por que começar hoje a fazer jornalismo colaborativo

 

22 de outubro de 2021

 

 

Andressa Marques, repórter dos programas Diversidades nas Redações e Sala de Redação

 

Ester Caetano, repórter dos programa Diversidade nas Redações e Sala de Redação

E aí, pessoal, tudo tranquilo? 

Somos a Andressa Marques e Ester Caetano, entramos na rede da Énois a partir do Diversidade nas Redações, programa que tem como objetivo fortalecer a diversidade nas redações brasileiras, e hoje integramos o Sala de Redação, um espaço virtual de produção conjunta de conteúdos jornalísticos. 

Estamos aqui na Diversa para bater um papo com vocês sobre como a colaboração no trabalho jornalístico pode fortalecer o jornalista e o jornalismo local. Agora perguntamos, você sabia que o jornalismo colaborativo é uma prática importante e necessária para que a nossa profissão possa criar conexões com diferentes olhares? Pois é, nem a gente sabia. Mas vamos explicar melhor como chegamos até aqui através, justamente, da conexão.

Eu, Andressa, integrei a redação do Sul21. E eu, a Ester, participei do Diversidade nas Redações pelo Nonada Jornalismo Cultural. Juntas, fizemos parte das únicas redações do Rio Grande do Sul no programa.. Ao longo do Diversidade, e depois com o Sala de Redação, todos os repórteres participantes produziram reportagens em conjunto. E foi aí que a colaboração no jornalismo nos atravessou de uma forma muito natural.

Logo pensamos: podemos cobrir o Rio Grande do Sul juntas! Afinal, tínhamos muito em comum: duas mulheres negras, em suas primeiras experiências em uma redação e em um programa abordando diversidade. Além disso, teríamos um rico material trabalhando juntas, já que eu, Ester, sou do interior do Rio de Janeiro, residente em Pelotas/RS, e eu, Andressa, nascida e criada na Restinga, periferia de Porto Alegre.

Esse vínculo que, rapidamente, criamos nos ajudou tanto na nossa prática jornalística quanto pessoalmente. Não é preciso dizer que na pandemia fomos obrigados a reinventar a nossa forma de trabalhar, e quando se é jornalista, não há muito tempo para se reinventar. O mundo não para, é necessário estar alerta a todas as mudanças. Essa parceria e companhia fortaleceu e abrangeu a nossa forma de pesquisa de fontes, de abordagem, escrita e apoio.

Sozinhas, talvez, conseguíssemos abordar os assuntos e entregar as matérias, mas não com a mesma delicadeza e disposição. Afinal, estamos em uma pandemia, em uma conjuntura com líderes políticos sem nenhum preparo para gerir a sociedade e, ao mesmo tempo, com a preocupação de se manter minimamente sãs para entregar a informação de forma verdadeira e acessível.

Colaboração e jornalismo local

Através da experiência que tivemos, podemos dizer que a colaboração é uma das chaves para fortalecer o jornalismo local e também é um poder para mitigar a desinformação e os desertos de notícias. Trabalhando em conjunto há possibilidade de unir pessoas de territórios alternativos e distantes, porém que compartilham de um mesmo caso, problema e situação. Dessa forma, rompemos a interpretação de apenas uma região sobre uma outra. A colaboração permite que diferentes narrativas construam notícias com uma mesma temática, porém cada uma ocupando seu lugar e sendo protagonista.  

Esse protagonismo traz de certa forma um empoderamento e segurança para o jornalista, além da tranquilidade de debater e apurar temas complicados, sensíveis e extensos. Em rede, as limitações diminuem e aumenta a diversidade. Em nossas apurações, conseguimos ver isso na prática, pois tivemos a possibilidade de ampliar a qualidade das fontes entrevistadas nas matérias, trazer uma sensibilidade individual com os personagens que cada uma ia encontrando e arrematar esses dois olhares no texto.

A colaboração é uma necessidade para o jornalismo justo e de qualidade. Com ela, temos a chance de transformar a troca de apurações em amplitude da repercussão da cobertura regional. Isso fortalece o nosso trabalho e leva nosso conteúdo para outras regiões e novos públicos.

Vale destacar uma das reportagens especial que fizemos sobre a educação escolar indígena. A matéria “Com pandemia e sem escola, crianças indígenas enfrentam desafios no paíssaiu no Nonada (RS), Maré de Notícias (RJ), O Povo (CE),  Expresso Na Perifa (SP) e Sul21 (RS). Convidamos você a ler outras matérias colaborativas que fizemos também:

Mudar a forma como fazemos jornalismo, deixando a competição de lado, fortalece esse movimento colaborativo. Por acreditarmos nisso e vermos, na prática, o quanto crescemos trabalhando na união, trouxemos aqui algumas dicas para impulsionar cada vez mais a colaboração no jornalismo. 

6 formas de impulsionar a colaboração no jornalismo local

1- Compreender que fazer jornalismo é exercício coletivo. É preciso abandonar a ideia do jornalista como protagonista da história;

2- Não deixar a competição no meio jornalístico impedir as colaborações e parcerias, lute pelo compartilhamento de ideias; 

3- Debata com outros profissionais da sua região, estado ou país sobre tendências, distribuição jornalística e modelo de negócio que fortaleçam a imprensa local;

4- Para começar o trabalho colaborativo de jornalismo antes é preciso ter segurança nos objetivos que a pauta quer alcançar e nos métodos dos processos de apuração conjunta.

5- Seja atento ao seu território, tanto para procurar coletivos interessados em colaborar quanto para pensar projetos e propostas de pauta que tragam a audiência para a colaboração; 

6- Procure sua rede, una-se a jornalista com os mesmos interesses, mas que te complementem nas ideias e ideais. 

Um salve e muito obrigada a todas as apoiadoras e todos os apoiadores da Énois ♥

Ana Luiza Gaspar, Alessandro Junior, Amanda Rahra, Andrei Rossetto, Angela Klinke, Anna Penido, Alexandre Ribeiro, Bernardo de Almeida, Camila Haddad, Carolina Arantes, Claudia Weingrill, Danielle Bidóia, Daniela Carrete, Danielle Bidóia, Danilo Prates, Darryl Holliday, Evelyn Dias, Felipe Grandin, Fernanda Miranda, Fernando Valery, Flavia Menani, Fred Di Giacomo, Frederico Bortolato, Gabriel Araújo, Giuliana Tatini, Guilherme Silva, Gilberto Vieira, Harry Backlund, Iano Flávio, Juliana Siqueira, Júnia Puglia,Kelayne Santos, Larissa Brainer, Larissa Sales, Luciana Stein, Marina Dayrel, Maire da Silva, Mauricio Morato, Natalia Barbosa, Nataly Simon, Patrícia Grosso, Patty Durães, Rodrigo Alves, Rafael Wild, Renata Assumpção, Ricardo Feliz Okamoto, Susu Jou, Tatiana Cobbett, Thais Folego, Vanessa Adachi, Vinícius Cordeiro e Vitor Abud. Se você quer ver seu nome aqui, basta se tornar nossa apoiadora ou apoiador: benfeitoria.com/enois

Apoie a Énois! Com R$ 10 por mês (ou mais) você ajuda a gente a seguir fortalecendo e produzindo um jornalismo mais diverso! benfeitoria.com/enois

FacebookInstagramInstagram
Skip to content